terça-feira, 27 de novembro de 2007

OBA, É NATAL!

Aqui não cai neve, é sol de rachar o ano inteiro, mas quando chega perto do natal, tudo se transforma.
O clima já mudou, à noite tem uma chuvinha e o dia amanhece nublado, os camelôs vendem pisca-piscas, bolas e papais-noéis que dançam.
Oba! Começou o corre-corre atrás de brinquedos e “galinhas mortas” (pra quem não sabe o que é, são ofertas de bons produtos a preços de banana).
Se vê de tudo no centro, estátuas vivas, malabaristas, gente pedindo esmola, ruas congestionadas, locutor de calçada, aliciadores de cartão de crédito, CD’s piratas, frutas, roupas e uma série de quinquilharias para todos os gostos.
Definitivamente é fim de ano! Vou esquecer que crio idéias para vender e vou me juntar à massa para comprar, me perder no meio da multidão procurando a melhor oferta. Quem sabe no amigo-oculto da empresa este ano eu tire alguém que não me dê muito trabalho na hora comprar o presente e, se a sorte ajudar, tomara que ninguém me dê cd, cinto, camisa pólo ou um daqueles presentes meio safados que a pessoa ganhou de brinde e nunca teve coragem de utilizar.
Bem, mas fora isso, vem aí uns dias de recesso, uma folga para repensar e muito, mas muito tempo para queimar os neurônios (porque é só o que resta isto, pois os cabelos foram embora) pensando em como aplicar as parcas economias do décimo terceiro (pra quem tem), se pinta a casa, viaja, compra presentes, vai às festas ou se guarda pra janeiro, em não é pro ano novo e muito menos para o carnaval, é para o material escolar das crianças mesmo.
E é assim, o ano da gente; ano novo, carnaval, volta às aulas, dias das mães, férias, dia dos pais, dia das crianças e natal. Pronto, o ano definitivamente acabou!

Um comentário:

Jeane Melo disse...

Ei, vou te dar uma caixa de lenço (q o Saná disse ser obsoleto) e um par de meia cor da pele.

Arre!

Bjim. Feliz Natal!