sábado, 10 de novembro de 2007

PERTURBAÇÕES DE UM PUBLICITÁRIO

Você já notou que todo mundo nessa área tem um "tic nervoso", uma mania, uma perturbação.
Você pode até dizer que não, mas certamente tem algum hábito ou mau hábito.
Existem muitas manias ou hábitos que se adquirem ao longo desse trabalho, querem ver:
Há aqueles para qual todo tempo do mundo é pouco para as tarefas - assim como eu - e ficam altamente estressados quando o trabalho se acumula. Há tambem os do tipo de um amigo meu que fica
“hiperimpacientementeirritado” se você não raciocinar há mais de 180 por hora no momento em que ele fala algo, ou ainda como uma colega super “elétrica” que parece uma formiga pra lá e pra cá ou como dizem os antigos uma "barata tonta".
Há os pacientes demais, que suportam tudo e depois jogam todas as pragas do mundo em cima do chefe.
Há os que falam pelos cotovelos.
Há os que cantam e falam sozinhos e vivem num mundo à parte.
Os que estão desligados e por isso são surdos, até quando são chamados, também são conhecidos como “môcos”.
Há os que riem sozinhos quando nem estão no MSN, devem estar lembrando de vidas passadas.
Existem os que brigam pelo MSN, e descontam no micro.
Os que querem porque querem que vejamos algum vídeo que eles e só eles acham interessante.
Há os neuróticos de nascença e os que estão ali e nem sabem o “por que” daquilo.
Também tem os displicentes, que usam o “xiii, esqueci” para ferrar com os outros.
Tem os que comem mais do que todo mundo e dizem que só criam, se a barriga estiver cheia – nesse caso, o ditado é certo – barriga vazia, cabeça arredia.
Vai dizer que você nunca voltou do meio do caminho por ter dado “um branco” de achar que esqueceu alguma coisa – a porta destrancada, o ventilador ligado ou algum documento – e que na verdade, está tudo na mais perfeita ordem. Este é o primeiro sinal, piração total, o resto vem com o tempo.
Criar certas rotinas no trabalho, como por exemplo: uma folha de papel embaixo do teclado, fixar-se sempre com os mesmos objetos, pegar a canetas dos outros e nunca ter a sua, deixar aquele monte de bichinhos, bibelôs, lembrancinhas e traquitanas em cima da mesa do escritório e, sempre na mesma posição, não permitindo nunca, mas nunca mesmo que alguém pegue, são os primeiros passos para uma perturbação permanentemente piradoura – quero dizer – duradoura.
Cuidado amigo(a), as perturbações de um publicitário, não têm campanha de lançamento, elas são incorporadas no dia-a-dia, quando você menos notar, ela vira uma marca tradicional.

2 comentários:

Jeane Melo disse...

Ixi, me idenfiquei com um mooooooonte de mania.
Sou praticamente uma colecionadora.

Bjim.

Mariana Arraes disse...

simplesmente demais, carvalho!! demais mesmo esse texto!! � por essas e outras pertuba�es que publicit�rios [e metidos a publicit�rios, como eu] fazem a diferen�a! grande abra�o, querido!!