terça-feira, 29 de abril de 2008

FALA SÉRIO?

Está certo que na linguagem coloquial é possível certas liberdades, um barbarismo aqui, um neologismo ali, uma desconcordância, uma metáfora, um pleonasmo ou até mesmo uma cacofonia, mas há limites pra tudo, certo? Errado. Olha só o que dizem por aí afora.

FUMAR MATA. QUANDO SE MORRE, PERDE-SE UMA PARTE MUITO IMPORTANTE DA VIDA.Brooke Shields
NÓS SOMOS HUMANOS COMO AS PESSOAS. Nuno Gomes, jogador do Benfica
QUEM CORRE AGORA É O FONSECA, MAS ESTÁ PARADO. Jorge Perestrelo, relator desportivo
INÁCIO FECHOU OS OLHOS E OLHOU PARA O CÉU! Nuno Luz, comentador desportivo da SIC
O MEU CORAÇÃO SÓ TEM UMA COR: AZUL E BRANCO. João Pinto, ex-capitão do F.C.Porto
A CHINA É UM PAÍS MUITO GRANDE, HABITADO POR MUITOS CHINESES... Charles de Gaulle
LÁ VAI PANEIRA NO SEU ESTILO INCONFUNDÍVEL... (PAUSA) ...MAS NÃO, É VELOSO. Gabriel Alves, comentador desportivo
UM MORREU E O OUTRO ESTÁ MORTO. Manuela Moura Guedes
A NOVA TERAPIA TRAZ ESPERANÇAS A TODOS OS QUE MORREM DE CANCRO A CADA ANO. Manuela Moura Guedes
ANTES DE APERTAR O PESCOÇO DA MULHER ATÉ À MORTE, O VELHO REFORMADO SUICIDOU-SE. João Cunha, testemunha do crime
QUATRO HECTARES DE TRIGO FORAM QUEIMADOS. EM PRINCÍPIO TRATA-SE DE INCÊNDIO. Lídia Moreno, Rádio Voz de Arganil
O ACIDENTE FEZ UM TOTAL DE UM MORTO E TRÊS DESAPARECIDOS. TEME-SE QUE NÃO HAJA VÍTIMAS. Juliana Faria, TV Globo
A POLÍCIA E A JUSTIÇA SÃO AS DUAS MÃOS DO MESMO BRAÇO. Bento Ferreira, juiz
OS ANTIGOS PRISIONEIROS TERÃO ASSIM A ALEGRIA DO REENCONTRO PARA REVIVER OS ANOS DE SOFRIMENTO. Maria do Céu Carmo, psiquiatra
FERIDO NO JOELHO, ELE PERDEU A CABEÇA. Crônica do Diário das Beiras
AS CIRCUNSTÂNCIAS DA MORTE DO CHEFE DE ILUMINAÇÃO PERMANECEM RIGOROSAMENTE OBSCURAS. Eng.º Paulo Assunção, EDP
À CHEGADA DA POLÍCIA, O CADÁVER ENCONTRAVA-SE RIGOROSAMENTE IMÓVEL. Ribeiro de Jesus, PSP de Faro
O AUMENTO DO DESEMPREGO FOI DE 0 % O MÊS PASSADO. Luís Fontes, A Capital
O ACIDENTE PROVOCOU FORTE COMOÇÃO EM TODA A REGIÃO, ONDE O VEÍCULO ERA BEM CONHECIDO. António Bravo, SIC
A CONFERÊNCIA SOBRE A PRISÃO DE VENTRE FOI SEGUIDA DE FARTO ALMOÇO. Diário da Universidade de Bragança
ELA CONTRAÍU A DOENÇA EM VIDA. Dr. Joaquim Infante, Hospital de Santa Maria
HÁ MUITOS REDATORES QUE, PARA QUEM VEIO DO NADA, SÃO MUITO FIEIS ÀS SUAS ORIGENS. Antônio Tadeia, Crônicas do Correio da Manhã
OS NOSSOS LEITORES NOS DESCULPARÃO POR ESTE ERRO INDESCULPÁVEL. Rui Lima, A Bola
UM SURDO-MUDO FOI MORTO POR UM MAL ENTENDIDO. Antônio Sesimbra, O Independente
COMO MELHOR EM CAMPO, EU GANHEI UM MOTORÁDIO. O RÁDIO VOU DÁ PRA MINHA MÃE, A MOTO VOU FICAR PRA MIM. Jogador premiado com um rádio da marca motorádio após o jogo de futebol.
A VÍTIMA FOI ESTRANGULADA A GOLPES DE FACÃO. Ângelo Bálsamo, Jornal do Incrível
A POLÍCIA ENCONTROU NO ESGOTO UM TRONCO QUE PROVÉM, SEGURAMENTE, DE UM CORPO
CORTADO EM PEDAÇOS. E TUDO INDICA QUE ESTE TRONCO FAÇA PARTE DAS PERNAS ENCONTRADAS NA SEMANA PASSADA. Agente Paulo Castro, relações públicas da PJ
OS SETE ARTISTAS COMPÕEM UM TRIO DE TALENTO. Manuela Moura Guedes, TVI
QUANDO O JOGO ESTÁ A MIL, MINHA NAFTALINA SOBE. Jardel, ex-jogador do Sporting
QUEREM FAZER DO BOAVISTA O BODE RESPIRATÓRIO. Jaime Pacheco, ex-treinador do Boavista
EM PORTUGAL É QUE É BOM. LÁ, A GENTE RECEBE SEMANALMENTE DE 15 EM 15 DIAS. Argel, ex-jogador do Benfica
NEM QUE EU TIVESSE DOIS PULMÕES ALCANÇAVA ESSA BOLA. Roger, ex-jogador do Benfica
TENHO O MAIOR ORGULHO DE JOGAR NA TERRA ONDE CRISTO NASCEU. Djair, jogador do Belenenses ao chegar a Belém/Restelo, no dia que assinou contrato com este clube
FINALMENTE, A ÁGUA CORRENTE FOI INSTALADA NO CEMITÉRIO, PARA SATISFAÇÃO DOS
HABITANTES. Presidente da Junta da Freguesia do Fundão
PIOR QUE SER O ÚLTIMO É NÃO CHEGAR ENTRE OS PRIMEIROS. Jerônimo Gonçalo, maratonista.
NO PRIMEIRO JOGO A GENTE PERDEU, AGORA GANHAMOS. É COMO DIZ AQUELE VELHO DEITADO: A VIDA É UMA FACA DE DOIS LEGUMES. Josiel Silva, jogador do Aquarela F.C.

quinta-feira, 24 de abril de 2008

PARABÉNS PARA MIM!

É bem verdade que apesar de dizermos que não, mas todos nós gostamos de sermos lembrados pelo dia de nosso aniversário. Pode quem quiser se desculpar por haver esquecido, mas o Orkut não mente e está sempre lembrando os próximos aniversariantes da semana. Não sei vocês, mas à medida que os anos passam você quer se sentir mais querido e, no dia de seu aniversário espera pelo menos um tapinha nas costas, um aperto de mão, um abraço ou mesmo apenas um sorriso de cumprimento dos colegas. Isto é o mínimo, contudo, comigo já aconteceu de ficar esquecido, ninguém lembrou, fiquei olhando, fui às salas, conversei, parei mais tempo no cafezinho e olhei para eles imaginando porque não me cumprimentavam. Depois, parti da suposição de que naquela manhã deviam está preparando uma festinha surpresa ao final do expediente. Chegou a hora de embora e nada aconteceu, toda minha expectativa morreu junto com aquela tarde. Fui para casa, triste e chateado. Logo eu, que sempre me fiz inserir no grupo dos que fazem a “vaquinha” para comprar o presente dos colegas. Logo eu que sempre lembrava o aniversário de cada um, incentivando uma festinha para cada ocasião. Porém, na semana do meu aniversário, ninguém fez listinha, não teve festinha e então me perguntei se era tão mau amigo assim dos colegas. Mas tirei uma lição disso tudo, acabei por fazer uma reflexão sobre minha conduta profissional, pessoal e social. Independente de quaisquer desculpas dadas, me calei por uma semana, remoí sozinho tentando digerir o acontecido, no entanto, na semana seguinte coloquei a boca no trombone (quem não chora não mama), confessei aos colegas da minha decepção, então se reuniram e, numa tarde dessas quando eu já entrava no carro para ir embora, me chamaram na sala de reuniões, tinham preparado uma Big festa. Perguntei-me se aquilo era fora originado da reclamação, do fato de estarem esperando reunir todo mundo para que se fizessem presentes ou se resolveram juntar dois ou três aniversários para comemorar de uma só vez. Mas, independente disto, fui ao ponto de comentar em casa, que meu natalício fora uma data da qual apenas eu dava importância.
Depois dos bolos, salgadinhos e refrigerantes, prometi pra mim mesmo não alardear mais meu aniversário. Os amigos (os de coração) me ligarão ou aparecerão em casa. Aos poucos, na seleção natural das coisas, saberemos quem de fato são nosso amigo e quem são verdadeiramente “os amigos da onça”. Mas não fico triste não, ainda haverá muitos aniversários pela frente, assim espero, como espero também que ninguém se esqueça.

domingo, 20 de abril de 2008

MAIS QUE DOR, SINTO VERGONHA

Desculpe Deus, fico envergonhado pela minha raça, sei que há outros caminhos para justificar nossa existência e que nesse plano existem propósitos bem maiores e mais dignificantes que a mesquinhez de nossa condição humana.
Não ouso mais tentar entender, pois a loucura humana não tem explicação. Temos o livre arbítrio, temos uma alma imortal galgada a aperfeiçoar-se. Então, se é para ser assim, como se explica a existência de pessoas que matam a forma mais pura de sua representação - a criança? Como explicar, entender ou até mesmo perdoar a atitude bárbara de matar um ser humano que não sabia o que era a maldade, ódio ou mesmo o que se passava em uma mente perturbada por descontroles pessoais? Porquê, e que direito tem alguém de privar uma criança da sua existência e de todo um plano do universo traçado para ela? Que direito pode ter um pessoa que em vão, por capricho ou motivos doentios sacrifica a própria filha por razões que nem mesmo os peritos na área psicológica e outras ciências conseguem explicar? Você consegue Deus?
Mesmo que sim, perdoe-me, mas me recuso a entender.
Que ira é essa, que louca alucinação, que ato desumano de inominável selvageria é esse?
Perdoe-me pequena Isabella, você merecia o gosto da vida, porque ele é tudo o que você sempre expressou no teu sorriso, na tua inocência, na tua pouca idade e em todo o teu pequeno coraçãozinho de criança.
Não entendo Isabella, o porquê de tanta dor, rancor, desamor. Tudo o que você sempre quis foi ser feliz. Quero crer, que não aqui, mas onde você estiver que você o será. Os dias de solidão e dor dos que te amavam serão preenchidos pelas doces lembranças dos momentos vividos ao teu lado. Eu não te conhecia, o Brasil não te conhecia, o fizemos de forma tão brusca, tão sofrida e tão angustiante, que ficamos impotentes para fazer algo por tua vida, a não ser clamar e exigir justiça pela covardia feita contra ela. Hoje você faz parte das famílias brasileiras, é a criança que todos querem proteger das maldades do mundo, e que as vezes não podemos, pois o mal se esconde em todo lugar, até mesmo dentro de nossa casa.
Eu sei meu Deus, a vida é feita de sacrifícios, até seu filho foi sacrificado, mas ele era consciente do que fazia, por que fazia e para quem fazia e, no fundo, a causa sempre estava lá – a loucura da estupidez humana.
Não há grau de comparação, mas a forma violenta com que se vão os inocentes me faz presumir de que eles são santos. Para mim Isabella, você é um anjo que vai zelar por todas as crianças para que elas não tenham um destino tão cruel.
Para mim que sou pai, sinto-me angustiado ao ver a morte tão trágica de alguém que teria sonhos de criança a realizar, que daria muitas alegrias, que com certeza faria parte de um futuro melhor para muitas pessoas. Agora que chances há para tais realizações tão abruptamente interrompidas.
Mas, seus sonhos vão continuar e em algum lugar alguém os realizará. Zele por nós pequena Isabella, precisamos muito do teu olhar puro e de teu sorriso de esperança.
Fale ao ouvido de Deus, para que tenhamos consolação e que Ele ilumine o coração de nossa raça, para que sempre haja alguém que apure a verdade e inflija a justiça certa àqueles que sujam suas mão de sangue, o sangue dos inocentes.
Não somos deuses, e se talvez nunca sejamos, mas com certeza, sempre haverá um Salomão para restaurar a verdade dos fatos e punir os culpados. Nisso cremos e isso esperamos.
Desculpe Deus, perdoe-me Isabella, isto é apenas um desabafo de mais um indivíduo inconformado com os fatos que fizeram doer o coração de todo um país.
Eu, como brasileiro junto meu grito aos outros e peço por justiça, mas como ser humano, acima de dor, sinto vergonha.

segunda-feira, 14 de abril de 2008

CRÉU EM CRUZ, AVE MARIA!

A cada dia que passa, quanto mais rezo, mas assombração me aparece.
Já não bastasse a péssima produção atual musical do país, (não se pode viver eternamente de MPB, Bossa Nova, Jovem Guarda, Tropicália e etc.), não vemos uma renovação à altura do que se espera da outrora rica música brasileira (resistem uns poucos bravos; Marisa Monte, Ivan Lins, Oswaldo Montenegro, Djavan, Ed Motta, Zeca Baleiro, Gabriel Pensador, Chico César e mais alguns que ainda fazem trabalhos de alguma qualidade, não dá pra citar todos aqui). Se analisarmos, (vindo lá dos primórdios) teremos uma seqüência que dá arrepios, dos anos 80 pra cá, apareceram a dança do fricote, do abre a rodinha, do xibiu, do Tchan, da boquinha da garrafa, do tapinha não dói, da lacraia, do chupa que é de uva e outras coreografias inomináveis, e agora, para fechar com chave de ouro temos a dança do créu.
É mesmo o fim de tudo, as músicas de melodias fáceis (se é que se pode chamar de melodia), com letras sem imaginação e que acima de tudo buscam banalizar o sexo, é o que tem feito a cabeça de nossa juventude (ou desfeito, seria melhor dizer).
Como faz falta um Cazuza, um Tim Maia, um Raul Seixas e um Renato Russo. Suas letras faziam com que as pessoas pensassem e refletirem. Suas canções contagiavam pelo simples fato de protestar de modo racional, trazer uma mensagem de amor ou uma mensagem de profunda reflexão. Perto do que se vê hoje, tudo pelo sucesso fácil, prefiro mil vezes as letras escrachadas dos Mamomas Assassinas, pelo menos tinha humor e contagiavam todas as idades.
Dizem que em todos os campos há espaço para tudo (inclusive para o que é ruim), o que espero, é que saibamos de fato separar joio de trigo, porque do jeito que a coisa vai, créu em cruz!

quarta-feira, 9 de abril de 2008

QUANTO MAIS ALTO...

É amigos, ficamos alguns dias de molho, mas aviso logo, foi olho gordo, e bota gordo nisso.
Às vezes é preciso canalizar as energias para neutralizar ações negativas enviadas de pessoas que têm inveja do sucesso alheio, daí retira-se a atenção daquilo que pode esperar e direciona-se para solucionar o que há de mais urgente.
Vocês sabem, a inveja é a arma de quem não tem competência para se estabelecer e, nesse caminho só se desperdiça tempo e dinheiro.
A verdade, é que tem gente que não sabe cair de pé (e acreditem, isso é possível) é sim, basta jogar limpo, sem ferir ninguém, respeitando as regras, admitindo a derrota quando ela é inevitável, “aquele que se retira da luta, pode voltar outra vez, e bem mais forte” (ditado oriental), mas que pena ter gente que não admite perder e sacrifica seus esforços, indo até as últimas conseqüências, tal qual um touro enfurecido que apesar do balé que leva do toureiro, cisma em estrebuchar e partir para cima, sabendo que esta ação descortina sua inexorável derrota.
Esse negócio de ficar protelando o inevitável, só leva a duas coisas, a primeira, é o desgaste da imagem, que como um flash, atrai logo a antipatia de todo mundo e, quem é antipatizado acaba sozinho e por tabela, fazendo jus ao ditado de que andorinha só não faz verão.
Segundo, fama de ruim e encrenqueiro precede negativamente a qualquer negócio que se queira fazer no futuro. Tudo bem, que tenha outro ditado dizendo que quem entra na chuva é pra se molhar, mas ninguém é louco de pedra pra pular dentro da fogueira e, nas entrelinhas, sabemos que nesse mercado, quem se queima está ferrado. Pessoas sem competência, podem enganar os outros por algum tempo, mas nunca todas as pessoas o tempo todo.
Para ser publicitário não é só abrir uma “agência” (aqui se falando em toda a estrutura necessária e capacidade técnica de atendimento pleno) bater no peito e dizer “eu sou publicitário”, é preciso mais que isso, é preciso ter paixão pelo que se faz, fazer bem feito e com competência, saber o momento certo de ouvir e de falar, ter conhecimentos de marketing, network e, no mínimo um pouco de educação para tratar bem as pessoas, sem diferenciá-las, quer ela seja um o subalterno ou um diretor (pessoas gostam de serem bem tratadas em qualquer ocasião, e isso independem da hierarquia que se aplique a elas).
Publicidade é beleza, resultados, jogo de cintura, é tratar bem, é cortesia, percepção, serenidade, é ser louco e criativo, mas nunca, nunca mesmo atropelar as pessoas como o rolo pressor de um trator desgovernado.
Desculpem minhas palavras, é que há mais de 20 anos na estrada, ainda fico chocado com aqueles que ousam pensar serem donos do mundo e crerem cegamente que tudo gira em torno de seus umbigos.

terça-feira, 8 de abril de 2008

O ÍNICIO DO FIM

Não me olhe desconfiado, não sou eu que desvio verbas públicas.
Não me olhe de trivela, não ofereço propina a ninguém.
Não me olhe com raiva, jamais me envolvi em escândalos de cartões corporativos.
Não me olhe com desdém, não sou eu o responsável pelo desperdício de seu voto.
Mas, acima de tudo, não me olhe como se a desgraça da sua vida tenha sido provocada por mim.
Sou Igual a você, cidadão comum. Não tive oportunidade de estudar em escola particular, igual a você fiquei muitas vezes na fila do INPS (hoje SUS) para poder ter direito a uma consulta (direito esse em sua totalidade desrespeitado). Andei de ônibus, suei a camisa, esquentei a cabeça sob o sol e passei por situações indignas a um cidadão.
Aliás, indignação é a palavra que melhor define o sentimento de todos.
Indignação pela loucura que mata uma Isabela.
Pela insanidade que vitima um João Hélio.
Pela violência que assassina uma Gabriela.
Pela falta de humanidade que incendeia um Galdino.
Pelo descontrole de um Estado que cede parte da cidade e vida de cidadãos ao poder do crime.
Pela falta de escrúpulos de pessoas que só pensam em si, deixando a massa à própria sorte.
Há uma falta total de civilidade, de honestidade e de ética.
Além dos problemas crônicos da segurança, saúde, educação, fome, moradia e desemprego, surge a cada dia outros. Um deles é a certeza da impunidade, que está encravada nas lacunas da lei e na realidade estampada no ócio e estagnação das instituições constituídas.
Por outro lado, a nossa tão falada democracia perde-se em outro estado mais forte, a burocracia, ou seria melhor dizer “burrocracia”. De qualquer modo, o cidadão comum é refém de um Estado que não o defende, ampara ou protege. Num estado de coisas assim, somente de Deus depende o destino de outras Isabelas,Joãos e Gabrielas.



quinta-feira, 3 de abril de 2008

CHOVE CHUVA, CHOVE SEM PARAR...

Hoje é uma daqueles dias com os quais a gente ainda não se acostumou. Digo isso porque aqui, é sol o ano inteiro (ou era), agora quase não se tem mais sol. Gosto de tempo ameno, só que agora há menos sol, menos calor, menos certeza de poder sair sem se preocupar se você chegará seco. Costuma-se dizer que aqui quando não é 8 é 80, ou sol de torrar ou chuva pra matar sapo afogado. Esta nova realidade de amanhecer, passar o dia, a noite e a madrugada chovendo, chega a dar nos nervos. Não que eu seja contra a chuva, gosto daquele barulhinho que ela faz no telhado. Quando ela cai no campo e é benéfica, ótimo! Mas, quando cai em demasia, dá asia. Na cidade, os rios Tigre (Poty) e Eufrates (Parnaíba) transbordam e aí, catástrofe em nossa Teresopotâmia. São bueiros entupidos, casas invadidas, gente desabrigada, doenças intestinais e epteliais, pistas interditadas, ruas alagadas...xii a lista é grande. Essas precipitações pluviométricas (palavra bonita) em larga escala não dá nem tempo de sentir o cheirinho de terra molhada (porque ela está encharcada o dia inteiro). Hoje está meio triste sair na chuva, (feliz era o Gene Kelly dançando na chuva ao som de “Singin in the Rain” sob uma chuva cenográfica). Passear na chuva, um banho de bica é legal, porém, um tromba d’água diluviana é um risco que não se pode correr (ou melhor, um banho que não deve tomar), porque quem é ciclista, motociclista ou pedestre não tem um pingo de respeito por parte dos motoristas, estes quando passam levantam verdadeiros Tsunamis em cima dos pobres transeuntes. Em tempos assim, bom mesmo é ficar em casa e tomar um chocolate quente, curtir um bom DVD ou mesmo ficar debaixo das cobertas. Infelizmente não possuo barco, senão hoje, ele seria uma chata para lotação.
Então se você não tiver mais o que fazer, vá para o quintal de sua casa, pegue seu shampoo, seu sabonete, coloque a música da Vanessa da Mata (ai, ai, ai...) bem alto e feliz banho, afinal, tem sempre um lado bom em todas as coisas.