quinta-feira, 3 de abril de 2008

CHOVE CHUVA, CHOVE SEM PARAR...

Hoje é uma daqueles dias com os quais a gente ainda não se acostumou. Digo isso porque aqui, é sol o ano inteiro (ou era), agora quase não se tem mais sol. Gosto de tempo ameno, só que agora há menos sol, menos calor, menos certeza de poder sair sem se preocupar se você chegará seco. Costuma-se dizer que aqui quando não é 8 é 80, ou sol de torrar ou chuva pra matar sapo afogado. Esta nova realidade de amanhecer, passar o dia, a noite e a madrugada chovendo, chega a dar nos nervos. Não que eu seja contra a chuva, gosto daquele barulhinho que ela faz no telhado. Quando ela cai no campo e é benéfica, ótimo! Mas, quando cai em demasia, dá asia. Na cidade, os rios Tigre (Poty) e Eufrates (Parnaíba) transbordam e aí, catástrofe em nossa Teresopotâmia. São bueiros entupidos, casas invadidas, gente desabrigada, doenças intestinais e epteliais, pistas interditadas, ruas alagadas...xii a lista é grande. Essas precipitações pluviométricas (palavra bonita) em larga escala não dá nem tempo de sentir o cheirinho de terra molhada (porque ela está encharcada o dia inteiro). Hoje está meio triste sair na chuva, (feliz era o Gene Kelly dançando na chuva ao som de “Singin in the Rain” sob uma chuva cenográfica). Passear na chuva, um banho de bica é legal, porém, um tromba d’água diluviana é um risco que não se pode correr (ou melhor, um banho que não deve tomar), porque quem é ciclista, motociclista ou pedestre não tem um pingo de respeito por parte dos motoristas, estes quando passam levantam verdadeiros Tsunamis em cima dos pobres transeuntes. Em tempos assim, bom mesmo é ficar em casa e tomar um chocolate quente, curtir um bom DVD ou mesmo ficar debaixo das cobertas. Infelizmente não possuo barco, senão hoje, ele seria uma chata para lotação.
Então se você não tiver mais o que fazer, vá para o quintal de sua casa, pegue seu shampoo, seu sabonete, coloque a música da Vanessa da Mata (ai, ai, ai...) bem alto e feliz banho, afinal, tem sempre um lado bom em todas as coisas.

2 comentários:

Jeane Melo disse...

E a sombrinha de orelha?

Comédia muita!

Já temos muitas história de inverno para aquecer o coração.

Bjs, meu companheiro de chuvas e micos.

Eric disse...

Bem se serve de consolo
eu já soube que encontraram um peixe afogado na avenida Raul Lopes em frente ao Euro Business