segunda-feira, 14 de abril de 2008

CRÉU EM CRUZ, AVE MARIA!

A cada dia que passa, quanto mais rezo, mas assombração me aparece.
Já não bastasse a péssima produção atual musical do país, (não se pode viver eternamente de MPB, Bossa Nova, Jovem Guarda, Tropicália e etc.), não vemos uma renovação à altura do que se espera da outrora rica música brasileira (resistem uns poucos bravos; Marisa Monte, Ivan Lins, Oswaldo Montenegro, Djavan, Ed Motta, Zeca Baleiro, Gabriel Pensador, Chico César e mais alguns que ainda fazem trabalhos de alguma qualidade, não dá pra citar todos aqui). Se analisarmos, (vindo lá dos primórdios) teremos uma seqüência que dá arrepios, dos anos 80 pra cá, apareceram a dança do fricote, do abre a rodinha, do xibiu, do Tchan, da boquinha da garrafa, do tapinha não dói, da lacraia, do chupa que é de uva e outras coreografias inomináveis, e agora, para fechar com chave de ouro temos a dança do créu.
É mesmo o fim de tudo, as músicas de melodias fáceis (se é que se pode chamar de melodia), com letras sem imaginação e que acima de tudo buscam banalizar o sexo, é o que tem feito a cabeça de nossa juventude (ou desfeito, seria melhor dizer).
Como faz falta um Cazuza, um Tim Maia, um Raul Seixas e um Renato Russo. Suas letras faziam com que as pessoas pensassem e refletirem. Suas canções contagiavam pelo simples fato de protestar de modo racional, trazer uma mensagem de amor ou uma mensagem de profunda reflexão. Perto do que se vê hoje, tudo pelo sucesso fácil, prefiro mil vezes as letras escrachadas dos Mamomas Assassinas, pelo menos tinha humor e contagiavam todas as idades.
Dizem que em todos os campos há espaço para tudo (inclusive para o que é ruim), o que espero, é que saibamos de fato separar joio de trigo, porque do jeito que a coisa vai, créu em cruz!

Um comentário:

aurenice disse...

CARA FOI TUDO ESSE "CRÉU EM CRUZ" VOCÊ REALMENTE TEM UMA GRANDE SACAÇÃO. COMO DIZ O SR. LADIR ESSE SEU COMENTÁRIO SOBRE AS LETRAS DAS MÚSICAS FOI MARA...