quarta-feira, 9 de abril de 2008

QUANTO MAIS ALTO...

É amigos, ficamos alguns dias de molho, mas aviso logo, foi olho gordo, e bota gordo nisso.
Às vezes é preciso canalizar as energias para neutralizar ações negativas enviadas de pessoas que têm inveja do sucesso alheio, daí retira-se a atenção daquilo que pode esperar e direciona-se para solucionar o que há de mais urgente.
Vocês sabem, a inveja é a arma de quem não tem competência para se estabelecer e, nesse caminho só se desperdiça tempo e dinheiro.
A verdade, é que tem gente que não sabe cair de pé (e acreditem, isso é possível) é sim, basta jogar limpo, sem ferir ninguém, respeitando as regras, admitindo a derrota quando ela é inevitável, “aquele que se retira da luta, pode voltar outra vez, e bem mais forte” (ditado oriental), mas que pena ter gente que não admite perder e sacrifica seus esforços, indo até as últimas conseqüências, tal qual um touro enfurecido que apesar do balé que leva do toureiro, cisma em estrebuchar e partir para cima, sabendo que esta ação descortina sua inexorável derrota.
Esse negócio de ficar protelando o inevitável, só leva a duas coisas, a primeira, é o desgaste da imagem, que como um flash, atrai logo a antipatia de todo mundo e, quem é antipatizado acaba sozinho e por tabela, fazendo jus ao ditado de que andorinha só não faz verão.
Segundo, fama de ruim e encrenqueiro precede negativamente a qualquer negócio que se queira fazer no futuro. Tudo bem, que tenha outro ditado dizendo que quem entra na chuva é pra se molhar, mas ninguém é louco de pedra pra pular dentro da fogueira e, nas entrelinhas, sabemos que nesse mercado, quem se queima está ferrado. Pessoas sem competência, podem enganar os outros por algum tempo, mas nunca todas as pessoas o tempo todo.
Para ser publicitário não é só abrir uma “agência” (aqui se falando em toda a estrutura necessária e capacidade técnica de atendimento pleno) bater no peito e dizer “eu sou publicitário”, é preciso mais que isso, é preciso ter paixão pelo que se faz, fazer bem feito e com competência, saber o momento certo de ouvir e de falar, ter conhecimentos de marketing, network e, no mínimo um pouco de educação para tratar bem as pessoas, sem diferenciá-las, quer ela seja um o subalterno ou um diretor (pessoas gostam de serem bem tratadas em qualquer ocasião, e isso independem da hierarquia que se aplique a elas).
Publicidade é beleza, resultados, jogo de cintura, é tratar bem, é cortesia, percepção, serenidade, é ser louco e criativo, mas nunca, nunca mesmo atropelar as pessoas como o rolo pressor de um trator desgovernado.
Desculpem minhas palavras, é que há mais de 20 anos na estrada, ainda fico chocado com aqueles que ousam pensar serem donos do mundo e crerem cegamente que tudo gira em torno de seus umbigos.

Nenhum comentário: