quinta-feira, 30 de abril de 2009

HOJE INTERNET, AMANHÃ HOLOGRAFIA

Aqui permaneço, apenas um ponto de interrogação perdido entre linhas virtuais de uma rede de pessoas virtualmente mortas.
Não há emoção, somente uma conglomeração de bits agindo coordenadamente para criar a ilusão de tempo real. O tempo não é real. A realidade está fora das telas dos micros das lan houses e dos lap tops. Ela está mesmo morta pelo nosso vício de estar presentes aqui.
Fiquei tão obcecado com os avanços contemporâneos de minha mente ávida por tecnologia virtual, que me esqueci de como é viver.
O que somos nós sem a internet, os msn’s, os youtubes, os emails, os orkuts e os googles mundo afora.
Você consegue se imaginar sem eles?
Não! Então admita.
Sua vida real não passa de um reflexo do você seria se não tivesse feito de uma ferramenta de trabalho uma extensão de sua própria existência.
Dê Adeus à sua vida social presente, seja bem-vindo ao mundo virtual. Aqui, tentamos fazer das pessoas distantes, grandes amigos, como se eles tivessem convivido sempre com você, embora nunca os tenha visto.
Escancare sua vida, a internet não é mais que um grande Big Brother, onde todos sabem de você, embora às vezes, você mesmo não se conheça.
As informações estão na rede, embora nossos velhos não estejam nela.
Afinal, o que é a convivência pessoal, ela apenas demanda mais tempo por se estar perto das pessoas, em contrapartida com as mensagens instantâneas onde se ganha o que hoje em dia está mais raro do que nunca; tempo.

A internet hoje é assim, amanhã será coisa do passado, a holografia com suas projeções nos seduzirão para termos ainda mais tempo.
Agora, vou almoçar com os amigos, desculpe por não ter mais tempo.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

AOS JORGES BRASILEIROS


Hoje é dia de São Jorge! Salve você que se chama Jorge e nem precisa ser Ben Jó, Versilo, Aragão, Altino, Amado e etc!
Não precisa ser famoso, basta ser forte como a grande massa anônima que sustenta esse país.
Forte como o lavrador que semeia a terra com o seu suor, como o vaqueiro que conduz o gado com o seu aboio, como os trabalhadores que correm do metrô, do ônibus, das motos, pelas ruas e calçadas numa dança frenética pela sobrevivência.
Forte como o canto de lamento esquecido pela vida, de velhos e crianças que depositaram suas esperanças em mãos de políticos inescrupulosos.
Forte como o grito surdo de um povo que só pode ser ouvido através do coração de quem acredita que tudo vai melhorar e que, apesar de não ter, pode sempre ajudar de alguma forma. Todos somos Jorges de alguma forma, não importa o antenome ou sobrenome, o importante mesmo é que todos somos guerreiros na batalha pela vida.
São Jorge é o santo guerreiro, assim cantam os católicos, os umbandistas e todo o sincretismo que faz a mistura de raças e crenças deste país.
Sou um Jorge, mas não me chamo Jorge, sou Antônio, não o Fagundes, não o Maria, não o Ângelo, não o Conselheiro, não o Marcos, apenas Antônio.
Um dos muitos que como Jorge, acredita no trabalho, que não é artista cantor, mas crê que a música é um instrumento de denúncia, de transformação e porque não dizer, de exaltação da coragem desse povo formado de Jorges, Antônios, Marias, Joãos, Josés, Franciscos.....
Então, que cantem todos os Jorges.

segunda-feira, 20 de abril de 2009

terça-feira, 14 de abril de 2009

PARA CRIAR, É SÓ SAIR DA CRISE


Tô cheio de crise! Chega! Não se fala mais em outra coisa, já encheu o saco mesmo.
É crise financeira, crise amorosa, crise sexual, crise alimentar, crise de consciência, crise de idade, crise de identidade, crise existencial, crise política, crise, crise....
Na verdade, a crise é um tilte, sabe, aquela hora do branco onde você perde o fio da meada e diz que deu um branco, pois é.
Deu um branco na cabeça dos “pseudo” gestores da economia mundial, alguém em algum lugar deu um belo golpe em um setor que por efeito dominó foi derrubando outro e mais outro, até chegar a um ponto inevitável, o seu bolso.
Para momentos de crise elimine da palavra o “s” e então restará “crie”. Criar é a melhor opção, a melhor saída, a única iniciativa plausível e certa para se sair bem deste colapso.
Toda situação tem dois pontos de vista, no mínimo. Visualize sempre o melhor e você perceberá que conseguirá dormir mais tranqüilo e acordar mais confiante.
Doravante minha crise será só uma - a alérgica. Atchim!
Desculpe, é que acho que este assunto já tá ficando velho.