sexta-feira, 29 de maio de 2009

DE 1 EM 1 A GALINHA ENCHE O PAPO

Não, não, não! Não os abandonei meus 3 ou 4 visitantes deste blog.
Acontece que às vezes fica difícil escrever com as pressões do dia a dia e, convenhamos, entre escrever um pouco e garantir o din din, a escolha é cruel mas o bolso pesa (mais a consciência se faltar o leitinho das crianças). Muito embora meus bolsos andem revirados pelo avesso na busca, nem que seja, de uma moedinha de 1 centavo.
Você já percebeu que ninguém dá valor a moeda de 1 centavo. Faça um teste, cole 1 centavo no chão e mais adiante cole 1 real, veja onde as pessoas irão parar para pegar?
Eu mesmo queria receber só aqui desta cidade, todos os 1 centavos perdidos nos preços das coisas que terminam com 99 centavos. Eu estaria milionário.
Seja sincero, você faz questão de receber o troco de 1 centavo? Duvido!?
Agora também tem um detalhe, o comerciante nunca tem 1 centavo para voltar no troco. E peça pra você ver, ele vai dizer inclusive que a moeda nem mais circula. O jeito é tentar levar os 99 centavos contados. Com certeza ele vai tomar um susto.
Nos States United of America, por 1 cent faltando você não leva mesmo.
Mas Brasil é Brasil, aqui todo mundo aceita tudo, pagar 1 real para estacionar o carro no Shopping, por exemplo, que é um lugar onde você já vai gastar nas lojas e nos entretenimentos para que o lojista tenha como pagar ponto para o dono do empreendimento. Não é algo extremamente incoerente (exceto para o dono)? Aí ninguém reclama, e fica por isso mesmo, já não bastam os impostos imensos embutidos nas mercadorias.
Tem até supermercado imprimindo sua marca e colocando em souvenir para ser vendido, pode!? Só vendo pra crer. Vão me pagar quanto para fazer isso. Fosse pelo menos uma Nike, uma Ferrari. Desculpa aí, é que com essa crise sei que todo mundo quer achar uma saída, mas assim já tá demais. Vou até dizer que é muita malevolência para um povo de ações extremamente malemolentes (não é Ítalo?)
Ah, meu Santo 1 centavo dos trocos perdidos, a quem tu enricas?

Um comentário:

IV disse...

O negócio é ter a malemolência para distrair os malevolentes.