sexta-feira, 5 de agosto de 2011

DESCOMPLICANDO


Só quero ousar pensar em fazer aquela viagem tão planejada, mas que nunca dá por falta de tempo. Quero ver o mar e as paisagens de mato, sentar ao sabor de qualquer brisa que quebre o abismo da minha vida dessa rotina fadigante de fazer o trabalho bem feito agradando aos outros e afogando-me em mágoa numa depressão silenciosa, crescente e mortal.

O mar atrai, porém, por mais que se queira, nunca dá para chutar o pau da barraca e correr rumo as ondas.

Talvez precise pegar na mão de meu filho e tornar minha sua coragem de correr para o mundo como se tudo isso não passasse de um grande picadeiro de circo onde cada brincadeira é um novo papel a ser interpretado.

Deus, como preciso ver de novo uma aquarela em minha vida, sujar os dedos de tinta para sentir as cores vivas da emoção de saber o que é viver.

Talvez, eu queira me sentir nu, sem o fardo de tantas responsabilidades inúteis e que a cada dia podam o senso de liberdade para ir e vir despretenciosamente em busca de melhor qualidade de vida.

Definitivamente, trabalhar demais não gera uma vida melhor, apenas ilusão de que se está melhor, contudo, o desgaste é evidente na expressão cansada e o não reconhecimento de que você merece, precisa ser bem tratado e de que também é importante ter momentos de lazer.

Não vejo meus filhos crescerem, mas sinto sua necessidade e minha carência de estar mais tempo com eles para fazer coisas simples, como empinar uma pipa, andar de bicicleta, jogar bola, tomar banho de mangueira, cantar karaokê, passar uma manhã sentado à mesa num joguinho de tabuleiro, ou quem sabe deitar no chão e colorir desenhos.

Não vejo o tempo passar, mas sinto que ele se esvai imerso nessa rotina, agora chega, saio do trabalho e desligo o telefone, as coisas não vão para de engrenar, com ou sem você, cansei de ter o mundo nas costas, muito trabalho por pouco retorno. Quero mais paz, pois fiz muito e esse tudo me deixou cansado e infeliz. As frustrações do dia a dia não me acompanharão mais para casa. Só quero chegar, beijar os meus filhos, sorrir para eles e dizer: papai tá em casa, vamos brincar!

No mais, que se dane o resto.

Um comentário:

。♥ Smareis ♥。 disse...

Li e reli seu texto e gostei muito de como você teceu seu texto. Lendo fiquei a refletir bastante com cada palavra.As vezes deixamos passar tantas coisas na nossa vida, e só mais tarde a gente percebe isso.
Deus, como preciso ver de novo uma aquarela em minha vida, sujar os dedos de tinta para sentir as cores vivas da emoção de saber o que é viver.Parabéns pelo texto, pelo blog, gostei muito, e convido a conhecer meu blog. Estarei te seguindo e se gostares do meu blog, me siga também.Parabéns pelo Dias dos Pais. Um Abraço!

Smareis