quarta-feira, 27 de junho de 2012

BOM PRA SER FELIZ


1-      Andar descalço
2-      Receber mensagem carinhosa no celular
3-      Escrever histórias
4-      Abraço apertado
5-      Roupa nova
6-      Deitar em piscininha de maré baixa
7-      Quarto frio, lençol quentinho
8-      Dirigir
9-      Esquecer do tempo lendo um livro
10-   Tomar banho no final da tarde
11-   Balada Pop romântica
12-   Filmes de amor
13-   Declarações de amor
14-   Chocolate
15-   Cafuné
16-   Sorriso dela
17-   Iogurte
18-   Internet
19-   Conversa besta na calçada
20-   Caminhar a beira do mar
21-   Imaginação
22-   Rádio de madrugada
23-   Carta escrita a mão
24-   Email longo de amigos queridos [ou de amor]
25-   Cheiro de terra molhada de chuva
26-   Creme de leite com marmelada
27-   Dormir de rede
28-   Pão quentinho
29-   Piada
30-   Lua cheia
31-   Piscina em dia de sol e céu azul
32-   Conversar com mamãe
33-   Ganhar beijo do meu filho
34-   Abraçar a minha filha
35-   Dizer “e aí?” pros meus irmãos
36-   Cheiro de carro novo
37-   Música boa no fone de ouvido
38-   Falar besteirol com os colegas em mesa de bar
39-   Suco com gelo
40-   Beijo na boca
41-   Sorvete
42-   Teresina
43-   Interior
44-   Meia luz
45-   Céu estrelado
46-   Correr no calçadão
47-   Melancia gelada
48-   olhar foto antiga
49-   Passear de mãos dadas
50-   Água gelada
51-   Cair no sofá em frente a tv
52-   Fazer uma lista de cinquenta e duas coisas preferidas e descobrir que minhas coisas preferidas não cabem numa lista só.

terça-feira, 26 de junho de 2012

DO FUNDO DO MEU CORAÇÃO

Eu, cada vez que vi você chegar
Me fazer sorrir e me deixar
Decidido eu disse: nunca mais
Mas novamente estúpido provei
Desse doce amargo, quando eu sei
Cada volta sua o que me faz
Vi todo o meu orgulho em sua mão
Deslizar, se espatifar no chão
Eu vi o meu amor tratado assim
Mas basta agora o que você me fez
Acabe com essa droga de uma vez
Não volte nunca mais pra mim
Eu, toda vez que vi você voltar
Eu pensei que fosse pra ficar
E mais uma vez falei que sim
Mas já depois de tanta solidão
Do fundo do meu coração
Não volte nunca mais pra mim
Se você me perguntar se ainda é seu
Todo meu amor, eu sei que eu
Certamente vou dizer que sim
Mas já depois de tanta solidão
Do fundo do meu coração
Não volte nunca mais pra mim

Roberto Carlos

segunda-feira, 25 de junho de 2012

ABANDONADO


As folhas de minhas esperanças, a cada palavra dita por quem amo, são arrancadas da árvore de minha vida e voam ao léu para se amarelarem no chão do desprezo, do esquecimento e morrer.
Que verdade seria melhor do que simplesmente a de se ter a certeza do sentimento de quem se ama. Mas essa verdade de apenas amar sem medidas parece não ser o suficiente.
O amor cresce, diminui ou pára para simplesmente continuar de onde parou? Não creio.  Ele cresce ou ele morre, ele não estaciona. Se amo, amo sem limitações, se não, não amo, não existe o acho que amo.
Talvez neste momento a pergunta mais importante seja, eu amo? Sou amada? Eu perdoo? O que eu sinto é mais forte ou devo considerar a opinião dos outros e matar o amor que me deu tantos momentos bons, felizes e inesquecíveis? O que dei em troca de tanto carinho, de tantas surpresas, de tanta paciência, de tantos momentos únicos, de tantas coisas novas que aprendi?
A resposta já me foi dita: saia de minha vida, deixe como está. Eu que não quis ouvir e acreditar. Hoje não resistindo guardar tudo para mim pois não podia mais sofrer calado, conversei com um amigo, ele me disse que as mulheres acham quem não sentimos, não choramos, não gostamos e me disse também que para muitas coisas é preciso ter cabeça, mas para outras é preciso ter coração, e mais que isso, é preciso ter coragem para se dizer que ama, mas caso isso não funcione, é porque seu amor não gosta o suficiente de você, então, esqueça, deixe que o tempo, que é senhor da razão faça o seu trabalho e mostre o caminho, certo ou errado que foi tomado, contudo, o caminho errado deixará sumir muitas coisa boas e maravilhosas que poderiam ser vividas.
Meu amigo parece maluco, mas vi nele muita sabedoria, ele disse lute, mas eu já me sinto fraco, triste e doente e não tenho mais forças lutar. A depressão chegou e a cada dia vai me abater mais, pois estou numa situação que não sei mais como lidar.
Talvez seja melhor sumir, me enterrar no trabalho, ir para longe ou dormir dopado para não pensar mais em nada.
Eu só queria cuidar, poder desejar e oferecer um pouco de felicidade, e um conjunto de coisas que caracteriza o amor.
Não é o amor o sentimento mais nobre e que dá sentido a tudo no universo? Talvez o universo de nós dois seja frágil demais e em sua primeira prova desmorone em meio a tantas perguntas, que nunca na verdade pararam para indagar de fato qual é a profundidade desse amor. Mas, pelo que tudo indica, ele parece não ter forças para reagir.
Eu tentei tudo, pedi, implorei, falei, demonstrei, mas em tudo fui condenado, nada do que eu faça parece surtir efeito. Deixar como está é admitir não ter capacidade para amar. Continuar seria mostrar que o amor vence tudo, até os erros.
Hoje sou visto como um pária de tudo que o amor representa, um Caim com a testa marcada onde todos parecem ver que fiz um grande mal, mesmo que tenha sido  em nome do amor. Mesmo que só você saiba, faz parecer que todos me olham ou nos olham diferente, e igual você me condenam.
O que seria mais apropriado, perdoar o erro ou matar o amor em nome do erro?
Deus sabe que errei, eu errei, reconheço o erro, pedi perdão, mas esse perdão não veio e não virá, e por mais que tudo seja tão claro e límpido como é céu da manhã, ainda assim ele não viria.
Já fui julgado e condenado, então o que posso fazer, será que palavras mudariam um destino já traçado por quem amo?
Mas vejam só o que são as armadilhas do amor, quem me ama é também quem me condena.
Eu queria mesmo tê-la a meu lado, ela me faz tudo ter um sentido, mas sonhar pra que?
Pra que pedir uma chance, se tudo o que tenho é a indiferença. Eu já não tenho mais forças para lutar, e pra mim rastejar por amor é se anular, isso não posso fazer.
Mas de que vale essa tristeza em mim, se a cada momento parece uma eternidade de solidão em nós. Que vença a depressão, que me corteje a tristeza, que me esvaia as forças, hoje sou apenas um nada perto do cara que seria com ela. Eu tinha alguém do meu lado, mas agora me sinto só,  me sinto abandonado, me sinto perdido.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

ARQUIVO ABERTO


Todas as pessoas devem eleger coisas para fazer na vida com seu amor, 
eis 15 coisas para fazer com Juliana

Uma viagem para onde ela quiser
Ir ao cinema ver uma comédia romântica
Tomar banho de chuva (ela não gosta e eu adoro)
Assistir um show que ela goste
Ir a praia
Jantar num restaurante legal
Fazer compras
Se divertir em um piquenique
Visitar o lar dos velhinhos
Curtir uma festa bem legal
Bater  papo no boteco com amigos
Cantar para ela uma serenata
Lhe mandar um buquê de flores
Sentar juntinhos e contar estrelas
Dizer sempre pra ela gravar no coração “Eu te amo”

segunda-feira, 18 de junho de 2012

SEM FRONTEIRAS PARA AMAR



Eu não descobrir que amo
Já te amava, só não sabia
Não amo por simplesmente amar
Amo para andar lado a lado
De mãos dadas
No compasso do mesmo passo
Tendo você aqui
Num beijo que para mim
beira o infinito, não tem fim
Mas que é puro 
E é só de ti,
Saber me beijar assim.

Eu amo teu sorriso, teu jeito faceiro
Teus longos cabelos,
tua risada, tuas manias
Ao teu lado me sinto mais eu
E parece que tu, estando do meu
És mais feliz
Nem precisas dizer nada,
Mesmo calada
É teu olhar que me diz

Quem poderia ser mais especial
Quem não sonha ter alguém assim que ama
Que ampara, cuida, cobre de amores
Com gestos carinhos palavras doces
Como me faz a meiga Juliana.

Queria ti dar mil flores
Passear ao pôr-do-sol
Rolar na grama sem fazer nada
Ver um céu de noite estrelada
Ter palavras lindas para te dizer
Para depois em teus braços
ganhar o teu beijo
Amar e adormecer.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

CORAÇÃO PARTIDO



Hoje, tenho problemas demais, muita gente opinando em minha vida e se fazendo de amigo(a) para jogar a pá de cal ou chutar o cachorro morto.
Na verdade meus erros em sua grande maioria são por não fazer as escolhas certas. Passei muito tempo numa situação de conformidade, aí quando resolvi ser eu e procurar descobrir quem pudesse de fato me tirar dessa letargia, achei que tinha acertado, mas aí, sempre há outras pessoas que de forma torta ou não desvirtuam nosso rumo. É nesse momento que tua certeza, tuas escolhas caem por terra. Já diz o ditado, infelizmente tudo que é bom, terminamos por perder, mesmo quando não queremos.
Às vezes até acertamos nas escolhas, conhecemos alguém especial, diferente, meigo e que te faz lembrar o quanto você precisa dele e nessa hora, você também se sente especial, aí agradecemos a Deus, torcemos para seu sucesso e rezamos por ele,  pedimos uma chance para o amor, pedimos que seja eterno enquanto um pensar no outro, um querer o outro e se preocupar para que esse outro esteja sempre bem. Mas como se pode ter chances diante de uma realidade que se volta contra nós e se é essa condição que acaba por afastar todos de você, tudo desmorona, tua vida, tuas relações, tua convicção, inclusive aquela certeza que tinha de estar ao lado de alguém maduro o suficiente para compartilhar estas emoções contigo.
Errei em ousar me convencer que podia amar de verdade, acertar, ter um novo começo, mas lá no fundo, acabei por descobrir que as pessoas fazem tudo, inclusive dizer que amam, por interesse. Não falo de interesses imediatos, mas dos interesses premeditados.
Você acaba por descobrir que o amor que você vive hoje, o amor que experimenta agora, aquele que é vivido no presente, é um rascunho pensado para um futuro, que talvez você viva ou não. É ou não um jogo de interesses?
As pessoas não querem viver o hoje, já estão com o pé no amanhã.
Eu odeio amar, porque o amor nos faz gostar de pessoas que terminam por nos revelar que esse amor não vale nada, mesmo que para que esse sentimento viva, você deva omitir o que pode destruí-lo. Quando não pode, você é descartado como um lenço de papel para ser calcado pelo chão.
As vezes temos medo demais e coragem de menos para dar a cara a tapa. Para assumirmos nosso sentimentos, pois a temeridade é se preocupar demais com que os outros irão pensar de nós.
De nada valeram os momentos, as conversas, os sorrisos, os encontros, quer dizer que é assim, tudo é apagado como se nunca tivera existido e até mesmo as emoções e o sentimento parecem não terem importância nenhuma e simplesmente significado de nada. Se amar for isso, então melhor não fazê-lo, pois o Adeus sempre vem de forma sonora e em letras maiúsculas traduzindo uma ira que não consigo dimensionar e que nunca pude imaginar existir. è como se o tamanho das letras queiram afirmar algo que você não sente de verdade.
Fico triste por ver pessoas tão doces e as quais se ama e se quer muito bem se amargurarem por pouco e guardarem tanto rancor. Não há decepção que não possa ser compensada por um ato que leve a esquecer toda e qualquer angústia. Como há também a prática de quem ama perdoar. O que senti, senti, não renego, não posso esquecer, pois por pior que seja a situação, houve nela momentos marcantes, únicos e inesquecíveis.
Sempre disse, um dia acertarei, mas se não acontecer, então estarei sozinho e lamentando por não ter feito a escolha certa, e talvez numa dessas estradas da vida, mereça de novo uma chance.
Pensei poder convencer as pessoas por atos e sentimentos, mas descobri que elas só se convencem com o que podem ver e, na maioria das vezes, o amor cega, a raiva cega e então os olhos exergam tudo, menos que há no coração.