segunda-feira, 25 de junho de 2012

ABANDONADO


As folhas de minhas esperanças, a cada palavra dita por quem amo, são arrancadas da árvore de minha vida e voam ao léu para se amarelarem no chão do desprezo, do esquecimento e morrer.
Que verdade seria melhor do que simplesmente a de se ter a certeza do sentimento de quem se ama. Mas essa verdade de apenas amar sem medidas parece não ser o suficiente.
O amor cresce, diminui ou pára para simplesmente continuar de onde parou? Não creio.  Ele cresce ou ele morre, ele não estaciona. Se amo, amo sem limitações, se não, não amo, não existe o acho que amo.
Talvez neste momento a pergunta mais importante seja, eu amo? Sou amada? Eu perdoo? O que eu sinto é mais forte ou devo considerar a opinião dos outros e matar o amor que me deu tantos momentos bons, felizes e inesquecíveis? O que dei em troca de tanto carinho, de tantas surpresas, de tanta paciência, de tantos momentos únicos, de tantas coisas novas que aprendi?
A resposta já me foi dita: saia de minha vida, deixe como está. Eu que não quis ouvir e acreditar. Hoje não resistindo guardar tudo para mim pois não podia mais sofrer calado, conversei com um amigo, ele me disse que as mulheres acham quem não sentimos, não choramos, não gostamos e me disse também que para muitas coisas é preciso ter cabeça, mas para outras é preciso ter coração, e mais que isso, é preciso ter coragem para se dizer que ama, mas caso isso não funcione, é porque seu amor não gosta o suficiente de você, então, esqueça, deixe que o tempo, que é senhor da razão faça o seu trabalho e mostre o caminho, certo ou errado que foi tomado, contudo, o caminho errado deixará sumir muitas coisa boas e maravilhosas que poderiam ser vividas.
Meu amigo parece maluco, mas vi nele muita sabedoria, ele disse lute, mas eu já me sinto fraco, triste e doente e não tenho mais forças lutar. A depressão chegou e a cada dia vai me abater mais, pois estou numa situação que não sei mais como lidar.
Talvez seja melhor sumir, me enterrar no trabalho, ir para longe ou dormir dopado para não pensar mais em nada.
Eu só queria cuidar, poder desejar e oferecer um pouco de felicidade, e um conjunto de coisas que caracteriza o amor.
Não é o amor o sentimento mais nobre e que dá sentido a tudo no universo? Talvez o universo de nós dois seja frágil demais e em sua primeira prova desmorone em meio a tantas perguntas, que nunca na verdade pararam para indagar de fato qual é a profundidade desse amor. Mas, pelo que tudo indica, ele parece não ter forças para reagir.
Eu tentei tudo, pedi, implorei, falei, demonstrei, mas em tudo fui condenado, nada do que eu faça parece surtir efeito. Deixar como está é admitir não ter capacidade para amar. Continuar seria mostrar que o amor vence tudo, até os erros.
Hoje sou visto como um pária de tudo que o amor representa, um Caim com a testa marcada onde todos parecem ver que fiz um grande mal, mesmo que tenha sido  em nome do amor. Mesmo que só você saiba, faz parecer que todos me olham ou nos olham diferente, e igual você me condenam.
O que seria mais apropriado, perdoar o erro ou matar o amor em nome do erro?
Deus sabe que errei, eu errei, reconheço o erro, pedi perdão, mas esse perdão não veio e não virá, e por mais que tudo seja tão claro e límpido como é céu da manhã, ainda assim ele não viria.
Já fui julgado e condenado, então o que posso fazer, será que palavras mudariam um destino já traçado por quem amo?
Mas vejam só o que são as armadilhas do amor, quem me ama é também quem me condena.
Eu queria mesmo tê-la a meu lado, ela me faz tudo ter um sentido, mas sonhar pra que?
Pra que pedir uma chance, se tudo o que tenho é a indiferença. Eu já não tenho mais forças para lutar, e pra mim rastejar por amor é se anular, isso não posso fazer.
Mas de que vale essa tristeza em mim, se a cada momento parece uma eternidade de solidão em nós. Que vença a depressão, que me corteje a tristeza, que me esvaia as forças, hoje sou apenas um nada perto do cara que seria com ela. Eu tinha alguém do meu lado, mas agora me sinto só,  me sinto abandonado, me sinto perdido.

Nenhum comentário: