segunda-feira, 26 de maio de 2014

A ENVELHESCÊNCIA DOS 50

Com o passar do anos, principalmente depois do 45, viramos pessoas mais consensuais com muitas coisas, eu diria, até mais tolerantes.
Parece que essa condição vem junto com um certo comodismo de buscar coisas que comumente faríamos tudo para conseguir, isso com alguns anos a menos ou há algum tempo atrás.
De repente, a balada do final de semana, um chopp no bar com os amigos, aquela viagem cheia de aventura para qualquer cidade perdida no interior do estado em busca de um bom riacho, um lago, uma cachoeira, uma excursão, parece não ter mais o mesmo atrativo.
Muita coisa passa a não fazer mais sentido. Você começa a se apegar mais a um livro, um bom filme ou prefere um bom descanso. E por incrível que pareça passa a olhar para as garotas mais novas, como se dissesse para si mesmo, o tempo não passou pra mim. Ainda tenho jeito para conquistas - mera ilusão. Talvez essa reação seja para contrapor a uma verdade - que o tempo passa para você.
Aprendi isso quando uma garota de 19 anos me chamou de "tio", meu Pai, nunca alguém que não fosse de fato sobrinho(a) me havia chamado assim, de tio, sabe?!

Isso foi o balde de água fria necessário para cair na real. Me olhei no espelho e vi que os cabelos já estão menos do que a metade, que as marcas de expressão estão mais bem delineadas e que os fios de cabelo branco se multiplicam pelo peito. O corpo nada atlético, com aquela barriguinha de meio pote, quer fazer esporte, mas não obedece de maneira tão apta aos comandos do meu cansado cérebro. A vista, para perto está cada vez mais ausente, isso me obriga a usar óculos que  acda ano aumentam gradativamente de grau. Óculos me fazem cansar rapidamente de leituras longas. Fora isso, as incontinências urinárias, as dores no joelho e o aumento de peso. Deus, o impacto da realidade é algo que acontece diariamente, mas você não percebe, até  notar que já está a beira dos 50 anos e toda essa carga de aditivos. Anos, quem inventou isso, haveria outra maneira melhor de contar os ciclos da existência? Ou quem sabe fosse melhor nem contar, talvez o melhor fosse viver a infância, a adolescência, juventude, maturidade e envelhescência. Depois disso, só descansar.
Já não durmo muito, trabalho mais a noite, a paciência devia ser maior, mas o strees passa a exigir muito de mim, e agora, preciso exigir também, para poder aprender a viver melhor.

tomar meu remédio da pressão na hora certa, dormir mais, não exagerar na comida e assim, tentar me enganar que ainda velho sou jovem. Pois aquela estória de que a gente só fica velho quando o espírito envelhece é balela.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

A JORNADA DO HERÓI

O conceito da Jornada do Herói foi criado por Joseph Campbell, estudioso norte-americano de mitologia e religião comparada.  Nele, Campbell cria um modelo de como seria o passo a passo do percurso de transformação do homem comum em herói, com todas as provações que surgem no meio do caminho.



A Jornada do Herói é muito utilizada em roteiros de cinema, seriados e, também, dentro das empresas como ferramenta de motivação e organização de metas para executivos. Um exemplo claro são os roteiros de Guerra nas Estrelas de George Lucas, todos seguem os estágios da Jornada de Campbell.

De acordo com Aser Cortines, consultor em gestão, a Jornada do Herói é o caminho que o indivíduo percorre até a conquista de uma meta, é a aceitação de novos desafios e de toda a dificuldade para vencer cada etapa de aprendizagem dentro de cada escolha.

“Todos os dias vivemos uma Jornada, nossas escolhas, desafios e relacionamentos estão pautadas por um objetivo e a maneira como você traça para chegar nesta meta é o que é Jornada do Herói, tudo o que vivemos até o sucesso”, explica Aser.

Existem vivências da Jornada na Califórnia todo ano na semana do nascimento de Campbell, onde as pessoas vivenciam dinâmicas e refletem sobre onde querem chegar e a razão desta meta.

“Toda jornada tem começo, meio e fim. O que Campbell transmite com a jornada é como explorar cada fase destacando cada elemento como, paciência, observação e saber identificar os aliados e os chamados dragões (inimigos) por ele. Afinal, vivemos inúmeras jornadas na vida e devemos saber identificar quando cada etapa termina para perceber os chamados de novas fases e desafios”, explica Cortines.

O conceito da Jornada pode ser ensinado por meio de jogos, filmes, seriados, livros e dinâmicas para transmitir a inteligência coletiva. “Sempre que agreguei nas minhas palestras estas ferramentas com foco na Jornada, as equipes entenderam os caminhos e encontraram as soluções dos desafios que estavam vivenciando diariamente”, enfatiza Ases.

A Jornada do Herói possui estágios e Campbell destaca 12 como principais, sendo:
- Mundo Comum - O mundo normal do herói antes da história começar.
- O Chamado da Aventura - Um problema se apresenta ao herói: um desafio ou a aventura.
- Reticência do Herói ou Recusa do Chamado - O herói recusa ou demora a aceitar o desafio ou aventura, geralmente porque tem medo.
- Encontro com o mentor ou Ajuda Sobrenatural - O herói encontra um mentor que o faz aceitar o chamado e o informa e treina para sua aventura.
- Cruzamento do Primeiro Portal - O herói abandona o mundo comum para entrar no mundo especial ou mágico.
- Provações, aliados e inimigos - O herói enfrenta testes, encontra aliados e enfrenta inimigos, de forma que aprende as regras do mundo especial.
- Aproximação - O herói tem êxitos durante as provações.
- Provação difícil ou traumática - A maior crise da aventura, de vida ou morte.
- Recompensa - O herói enfrentou a morte, se sobrepõe ao seu medo e agora ganha uma recompensa (o elixir).
- O Caminho de Volta - O herói deve voltar para o mundo comum.
- Ressurreição do Herói - Outro teste no qual o herói enfrenta a morte, e deve usar tudo que foi aprendido.
- Regresso com o Elixir - O herói volta para casa com o "elixir", e o usa para ajudar todos no mundo comum.

Estes estágios são nada mais que as fases de nossas vidas, tanto profissional quanto pessoal, e nos passa uma mensagem de persistência e foco, em meio à fantasia e sofrimento da vida. “O conhecimento deve sempre ser associado a algum elemento que leve a emoção e que dê prazer, por isso, por muitos anos ensinei inúmeras equipes com a Jornada do Herói, é realmente fantástico", conclui Aser.

Texto de Samara Teixeira - Fonte: MSN Empregos -