quarta-feira, 5 de novembro de 2014

UM SONHO SONHADO SOZINHO NÃO VIRA REALIDADE


Chega de ilusões, de viver no passado esperando que um milagre altere o presente e se faça dele um futuro. As pessoas, por assim dizer, costumam acomodar-se na mesquinhez de suas vidinhas aguardando dias melhores ou quem sabe que a oportunidade (ou sorte) venha bater à sua porta.
Cansei dos medos, dos temores infundados. Não me arrependo por ter dado a você o melhor de mim, embora, o retorno tenha sido praticamente nada. Descobri que o meu "eu" não foi suficiente para o seu "eu". Aguardei ansioso uma atitude madura, pessoal (passional), um posicionamento só seu, sem a inferência de terceiros, os mesmos que uma dia serão apenas lembranças no inexorável curso da vida. Lembranças guardadas num baú de memórias remoídas todas as vezes que você pensar que podia ter seguidos outros novos caminhos e não o fez.
Hoje, nada é seguro, nada é certo, exceto uma coisa - o tempo que passa. Às vezes é preciso ousar, cometer erros, fazer escolhas, pois nem todas as escolhas são ruins, mesmo as erradas, pois é com elas que aprendemos novas lições. Se sempre optarmos pelo certo, então como erraríamos? Com os erros é que aprendemos a ter experiência. Com certeza, se você chegar a ler isso, entenderá tudo ou não entenderá nada. O "amor", o "bem querer", o "carinho"ou mesmo a "paixão" precisam ser alimentados, nem que seja com pequenas coisas, como um "olá", uma lembrança, uma mensagem, um telefonema ou uma outra surpresa qualquer para poder continuar existindo. Mas, quando tudo que resta é o desprezo e a indiferença, então culpe apenas a você por estar cravando, na tênue vida que luta para se manter, o último cravo.
Raiva - não tenho nenhuma, a única coisa que me assola é uma tristeza imensa quando penso em nós. Uma angústia por saber que você é a pessoa certa em um tempo ou mundo, errado. Um dia você vai ser sozinha, neste dia pesará sobre você as escolhas apontadas por outros, outros que não viverão sua vida por você. Não, não me arrependo dos meus erros, das minhas escolhas, foi eu que as fiz, ninguém as tomou por mim. Ousei sonhar por nós, mas para que alimentar um sonho que você abandonou? Não dá para viver de ilusão e, no fundo, acho que você nunca sonhou com a gente de verdade.

Como diz a música:  

Eu acreditei demais no amor
De corpo, alma me entreguei sem pensar
Foi passando o tempo e eu fiquei
Mais uma vez sozinho, sem ninguém
Não, não acredito mais no amor
Eu ouvi promessas de alguém
E me apaixonei
Tenho as marcas da desilusão
Tenho que ter dó de mim
E do meu coração



Nenhum comentário: