segunda-feira, 25 de maio de 2015

IGUAIS E DIFERENTES


O diferente é que faz a perfeição. Isso me veio a mente porque numa conversa sobre família com minha filha, ela questionou que as famílias são muito malucas e que às vezes, a reunião delas é motivo de desavenças. Disse a ela que é impossível viver sem a família e que, por mais defeitos e anormalidades que ela possa ter, nunca deixará de ser a nossa família.

Exemplifiquei dizendo que se todos fossem extremamente educados, pacientes e muito iguais, o que haveria para contrapor, para gerar as mais diversificadas opiniões, para suscitar discussões. Por mais diferentes que as pessoas possam ser, em família, todos se querem bem (não que isso seja uma regra) mas é para funcionar assim. Tantas pessoas diferente é que fazem com que de fato a família se complete e se aperfeiçoe. Mostrei isso citando a mim, completamente louco, agitado, andando a mil e para freira essa maré, citei a mãe dela, paciente e calma. é preciso esse freio para que a coisa ande direito. Pedi que ela reparasse isso em outros casais, então comprovaria esta verdade. Para a balança funcionar tem que haver este tipo de contra-peso. Por aí, ela veria que toda família parte deste princípio, um tem que ser agitado com mais potência no motor e o outro mais pé no chão, diria, um motor mais brando. É essa diferença que leva à perfeição. Ela terminou por concordar comigo e que apesar dos pesares, a família, mesmos com seus almoços domingueiros e festas de meio de semana, continua sendo uma fonte inesgotável de aprendizagem.


terça-feira, 19 de maio de 2015

BLOG É COISA DE FRESCO


Foi exatamente isso que ouvi numa mesa de bar quando disse que tinha um blog. Fui explicar que um blog é onde, de uma forma ou de outra, você pode externar seus pensamentos, escrever suas crônicas, colocar narrativas do dia a dia e ainda exercitar a arte de escrever.
Talvez, o distanciamento da leitura, da prática da escrita ou quem sabe, o desconhecimento geral dessa pessoa sobre tais assuntos a tenham levado a falar isso.
Tratei de relevar, é muito difícil você argumentar com quem por falta de convicção de argumentos  já tenha uma opinião formada na ignorância ou num posicionamento inflexível, mesma com todos os argumentos expostos por mim.
A arte do meu trabalho é o bem pensar, comunicar e escrever, talvez se não existisse o blog, essa ferramenta na internet, muita gente não estaria escrevendo coisas maravilhosas, reflexões interessantes e textos de grande interesse. O blog também é uma espécie de terapia mental, pois é o momento onde se pode parar, se desligar de tudo e falar um pouco mais com você mesmo e dessa maneira com o público, claro que, só aqueles que de fato estejam interessados no que você diz. E isso é bom porque seus leitores serão muito seletos e, cá entre nós, nesse caso, é melhor ter qualidade do que quantidade. Desculpa aí, ma se isso for coisa de fresco, e o sou.

quarta-feira, 13 de maio de 2015

JOVEM VELHO OU VELHO JOVEM?


Temos um carinho especial pela data em que nascemos, se bem que comemoramos o dia em que saímos da barriga de nossa mãe, mas na verdade, se nasce bem antes. Desde quando nosso pais sonham em aumentar a família. Porém, nem todo mundo gosta de comemorar seu aniversário, seja porque não tenha amigos, seja porque quer esconder a idade ou mesmo porque não traga consigo alegrias suficiente para fazer festa.
O importante nisso tudo, é que aniversário é que nem data de ano e natal, a gente quer abraçar todo mundo, ganhar presente, soltar fogos, beber vinho, comer bem e estar no meio de amigos e parentes. Em maio me sinto meio assim, ô mês bonito. Ele é de Maria, é das mães, é das noivas, é das flores, ah, e é também meu mês, até meu dia, 16 é redondo, par e sempre tem cara de um dia útil que vai cair numa quarta-feira. Não importa quantos dezesseis já se passaram, não conto o tempo pela idade, conto pelos momentos de felicidade, vitórias, experiências, aprendizado e conquistas que vou acumulando. E olha que são muitas. Ainda assim, não me sinto velho com meus 5.0, esse, é um motor amaciado e potente, pelo menos na vontade. E se isso quer dizer alguma coisa, posso garantir que se o corpo já não é o mesmo, pelo menos a disposição mental está tinindo de nova. Vamos lá, afinal, se a vida começa aos 40, é nos 50 que atingimos a adolescência da maturidade.